Pesquisa de Canápolis, MG representa FEMIC na maior mostra de projetos de Ciências e Engenharia do país, a FEBRACE

0
Estudantes e professores da Escola Estadual São Francisco, Canápolis, Minas Gerais na FEBRACE.

Projeto “Produção de MDF a partir da fibra de abacaxi”, um dos premiados na 2ª FEMIC (Feira Mineira de Iniciação Científica) está sendo destaque na FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia), a maior mostra de projetos de Ciências e Engenharia do País. 

Na 2ª FEMIC o projeto “Produção de MDF a partir da fibra de abacaxi” conquistou credenciais para representar a FEMIC na FEBRACE. O trabalho vem sendo desenvolvido desde 2018 pelos estudantes Miguel Augusto Nascimento Machado e João Darcio Reis Rodrigues e pelos professores Orlando Marques Da Costa Junior (Orientador) e Flaviana Rocha Muniz (Coorientadora) da Escola Estadual São Francisco que fica em Canápolis, Minas Gerais.

Mostra dois estudantes e dois professores em pé e sorrindo. Estão dentro do estande da FEMIC e seguram certificados de participação no evento.
Estudantes e professores orientadores durante a 2ª FEMIC – Feira Mineira de Iniciação Científica.

Na 17ª edição da FEBRACE que acontece de 19 a 21 de março na Cidade Universitária, na capital paulista o trabalho está sendo destaque pela feira, conforme mostra notícia “FEBRACE 2019: para além de uma feira de ciências” no site do evento. Para ver https://febrace.org.br/imprensa/noticia/691/

Conhecendo a pesquisa Produção de MDF a partir da fibra de abacaxi

MDF de abacaxi: A produção de abacaxi move a economia da região de Canápolis (MG). Lá, cada hectare plantado da fruta gera cerca de 58 toneladas de biomassa que hoje, além de não ter utilidade, cria problemas ambientais. É que os produtores usam maquinário pesado, agrotóxico e fogo para se livrar dessa biomassa. Por isso, estudantes da Escola Estadual São Francisco resolveram dar um fim mais nobre a esses resíduos, transformando-os em placas de MDF. O produto tem a mesma resistência que o MDF convencional (feito de fibra de madeira), pode receber tinta, verniz e fórmica, além de não ser tóxico, uma vez que não é usada resina sintética para unir as fibras do abacaxi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui